bioplastia clinica médica
Clínica de Bioplastia

Polimetilmetacrilato Histórico

O polimetilmetacrilato (PMMA) foi sintetizado pela primeira vez em 1902, pelo químico alemão Otto Rohn, sendo comercializado somente em 1928, sob patente da empresa alemã Röhn and Haas Co. Em 1936, foi realizado seu primeiro uso na área da saúde, na Odontologia, como prótese dentária. Seu uso médico teve inicio no ano de 1940, quando foi utilizado em uma placa de Plexiglas para fazer a cobertura de uma calota craniana.

As primeiras experiências com PMMA para implantação em tecidos moles foram realizadas na Alemanha em 1988, por Ott, e em 1991, pelo Dr. Gottfried Lemperle, Cirurgião plástico graduado na Alemanha, chefe do serviço de cirurgia plástica da universidade de Frankfurt entre 1974 e 1998. Neste período, foram realizados testes com a implantação de partículas não reabsorvíveis na pele de ratos e, posteriormente, feitas análises histológicas. Nestes estudos, as microesferas de PMMA, eram as que apresentavam o menor número de reações celulares.

Lemperle realizou, em 1985, os primeiros estudos focados na estética e na reparação. No intuito de comprovar a biocompatibilidade deste material, utilizou as microesferas em aumento de tecido de animais. Seu uso em pacientes começou quatro anos mais tarde, em 1989 e, após a aplicação em cerca de dez mil pessoas, foi mais do que provado que este material possui um elevado grau de segurança e uma taxa extremamente baixa de complicações.

Foi em 1994 que surgiu a ideia de misturar essas microesferas de polimetilmetacrilato ao colágeno bovino, para assim, criar um veículo pastoso e facilmente implantável na subderme, através de agulhas finas. A partir de então, com os compostos de colágeno misturados às microesferas de PMMA, ficou constatado uma maior permanência no local, despertando grandes e positivas expectativas nos pesquisadores e na comunidade médica.


TOPO